A desinformação é o princípio da dominação que os políticos têm sobre a população

O Sintfub (Sindicato dos Trabalhadores da Fundação Universidade de Brasília) publicou, na última semana, uma nota de esclarecimento à população sobre a PEC 32 – Reforma Administrativa. É um texto de leitura fácil, diferente de muitos artigos com orientações técnicas e de difícil interpretação por parte de uma boa parcela dos brasileiros. Compartilhamos o texto na esperança de conscientizar ainda mais pessoas a respeito das maldades do Governo Bolsonaro.

LEIA NA ÍNTEGRA
A desinformação é o princípio da dominação que os políticos têm sobre a população

A reforma que você aplaude promete acabar com férias de 60 dias. Servidor público não tem férias de 60 dias. Juiz tem. Mas o juiz não está incluído na reforma.

A reforma prevê o fim dos super salários. Servidor não tem supersalário. Pelo contrário. Estamos sem reajuste. Juízes e políticos têm supersalários. Mas eles não estão incluídos na reforma.

A reforma prevê o fim da aposentadoria compulsória como forma de punição. Servidor, quando erra, não é aposentado. É demitido. Juízes são aposentados como punição. Mas juízes não estão incluídos na reforma.

Servidor tem estabilidade?

Ela impede que políticos pilantras encham o serviço público de “guardiões”, aspones, comissionados e assessores para assuntos alheios ao interesse público. Se o Servidor público erra, ele é demitido. Os guardiões e aspones comissionados não. E estes ganham muito mais do que os Servidores concursados.

Quando você sofre um acidente, quem te socorre é um Bombeiro, que é um Servidor atingido pela reforma. Quem te leva para o Hospital é um Motorista, também Servidor. Quem te opera é uma equipe de Servidores (Médicos, Enfermeiros, Auxiliares, etc). Quem te protege é um Policial Militar, Civil e Federal Servidor. Quem educa seu filho é um Professor Servidor. Quem varre as ruas em que você anda é um gari Servidor. Quando você entra na Justiça, quem processa o seu feito é um Servidor. Muitas vezes, ele até sentencia no lugar do juiz e você nem sabe disso, porque o juiz tem de 3 a 4 assessores só para redigirem a sentença dele.

Todos esses Servidores são atingidos pela reforma. Todos estão sem reajuste há anos. Todos trabalham para o Estado te atender, apesar dos políticos. E é contra eles que você se volta, porque os verdadeiros culpados, que ganham fortunas, empregam parentes, são aposentados quando roubam e tiram férias de 60 dias, te convencem com enorme facilidade de que o problema do Brasil é o Servidor.

Vários Servidores no País tiveram seus vencimentos congelados e muitos ficaram meses sem receber qualquer remuneração (no Rio de Janeiro, por exemplo). Mas em nenhum momento faltou dinheiro para pagar políticos e seus comissionados, nem pra fazer rachadinhas 💰💰.

Você quer soluções? Fácil:

1) Vote melhor. Pare de reeleger bandidos.

2) Fiscalize políticos ao invés de endeusá-los.

3) Estude. Leia. Informe-se. Um cidadão desinformado é um campo fértil para políticos pilantras.

4) Lute do lado certo. Você é um cidadão que depende de serviços públicos. Se você acha que o Servidor concursado não presta bem este serviço, por que pensa que os guardiões apadrinhados fariam melhor?

5) Já existem alternativas previstas em lei para os maus Servidores. Todo ano, centenas são demitidos por errarem. Agora, veja quantos magistrados são demitidos e quantos políticos são cassados e depois se pergunte de novo onde está o problema e quem deveria ser atingido por esta reforma covarde.

6) Em todo lugar, há bons e maus profissionais. Ninguém defende mau Servidor aqui. Queremos que haja uma reforma justa. Se, mesmo depois de saber que os verdadeiros marajás e os que têm benesses não serão atingidos pela reforma, você ainda continuar achando que o problema é o Servidor, que estudou e disputou uma vaga em igualdade de condições com os concorrentes, sejam pobres ou ricos, então o problema não está no Servidor; está em você.

Leia na fonte – https://sintfub.org.br/2021/09/nota-de-esclarecimento-dos-servidores-publicos-concursados-a-populacao/ 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *